I
n
s
c
r
e
v
a
-
s
e
Boas Vindas

Notícias

Link entre uso de antidepressivo durante a gravidez e autismo está sendo estudado

Estudos anteriores sugeriram que um aumento do risco de autismo entre as crianças de mães que tomaram antidepressivos durante a gravidez pode realmente refletir o conhecido aumento do risco associado com depressão materna grave. Em um estudo recebendo a publicação prévia on-line no Molecular Psychiatry, os pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH) relatam que, embora um diagnóstico de transtorno do espectro autista seja mais comum em filhos de mães que usaram antidepressivos durante a gravidez do que naqueles sem exposição pré-natal, quando a gravidade da depressão da mãe foi contabilizada o aumento do risco não foi estatisticamente significativo. Um aumento do risco para o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), no entanto, persistiu mesmo depois do controle para fatores relacionados à saúde mental da mãe. 
"Nós sabemos que a depressão não tratada pode representar sérios riscos à saúde tanto para a mãe quanto para a criança, por isso é importante que as mulheres em tratamento com antidepressivos que engravidam, ou que estão pensando em engravidar, saibam que esses medicamentos não vão aumentar o risco de seu filho ter autismo", diz Roy Perlis, professor associado de Psiquiatria na Harvard Medical School, autor sênior do relatório. 
Os autores notaram que, enquanto os fatores genéticos são conhecidos por desempenhar um papel importante no autismo, como esse risco pode ser exacerbado por fatores ambientais não é bem compreendido. Embora estudos em animais e investigações com base em registros de saúde tenham sugerido um aumento do risco associado à exposição pré-natal antidepressivo, outros não encontraram tal associação. E uma vez que a descontinuação do tratamento antidepressivo aumenta significativamente o risco de recaída - incluindo um aumento do risco de depressão pós-parto -, o presente estudo foi desenhado para esclarecer se existe ou não algum risco aumentado de autismo atribuído ao medicamento. 
Para investigar esta possibilidade, a equipe de pesquisa analisou dados de registros eletrônicos de saúde para as crianças nascidas no MGH, Brigham and Women`s Hospital, ou Newton Wellesley Hospital - hospitais pertencentes ao Partners HealthCare System - para quem um código de diagnóstico de transtorno invasivo do desenvolvimento, a categoria que inclui o autismo, foi inscrito pelo menos uma vez entre 1997 e 2010. Coincidem com os dados de quase 1.400 dessas crianças com mais de 4.000 controles sem diagnóstico de autismo, nascidas no mesmo ano e combinadas para uma variedade de fatores demográficos.
As informações das crianças foram comparadas com as de suas mães, observando todos os fatores relacionados ao diagnóstico e tratamento da depressão maior ou outras doenças mentais, incluindo a prescrição de antidepressivos e outras drogas psicotrópicas. Uma análise similar foi feita por quase 2.250 crianças com diagnóstico de TDAH, em comparação com mais de 5.600 controles pareados sem diagnóstico de TDAH. 

Embora a exposição pré-natal aos antidepressivos tenha feito aumentar o risco de qualquer condição, na comparação com foco no autismo, o ajuste para fatores que indicam a depressão materna mais grave reduziu a força dessa associação a um nível insignificante. Tomar antidepressivos com ação mais forte na serotonina, que foram suspeitos de contribuir para um possível risco de autismo, não aumentou a incidência da doença. Além disso, os filhos de mães que tomaram um medicamento antidepressivo não alvo na serotonina para a doença severa não tinham aumento da incidência de autismo. Prescrição para drogas antipsicóticas, por vezes usadas para tratar depressão grave resistente ao tratamento, assim como desordens psicóticas, pareceu aumentar o risco para o autismo. Para TDAH, no entanto, o aumento do risco associado à exposição ao antidepressivo no pré-natal permaneceu significativo, embora reduzido, mesmo após o ajuste para a gravidade da depressão materna. 
"Há uma série de opções - medicamentos e não medicamentos - para o tratamento de depressão e ansiedade na gravidez", diz Perlis. "Mas, se são necessários antidepressivos, espero que os pais possam sentir-se tranquilos com sua segurança."

FONTE: Massachusetts General Hospital. (2014, August 26). Link between prenatal antidepressant exposure, autism risk called into question. ScienceDaily. Retrieved August 27, 2014 from  www.sciencedaily.com/releases/2014/08/140826100853.htm