I
n
s
c
r
e
v
a
-
s
e
Boas Vindas

Notícias

As crianças muitas vezes têm uma relação mais próxima com seu animal de estimação do que com seus irmãos

É realmente surpreendente que as crianças não só se voltem para seus animais de estimação para o apoio quando confrontadas com a adversidade, mas também que o façam ainda mais do que com seus irmãos. Estudo longitudinal de 10 anos de desenvolvimento social e emocional das crianças incluiu uma seção sobre a relação das crianças com seus animais de estimação, bem como uma ampla gama de outros dados das crianças, seus pais, professores e irmãos. A investigação sobre as relações do animal de estimação vem acontecendo há algum tempo, mas poucos estudos têm utilizado a mesma ferramenta para comparar relações das crianças com animais de estimação com seus outros relacionamentos, ou se concentraram em como a qualidade das relações pet afeta os resultados para as crianças.

Matt Cassels, autor do estudo, descobriu que crianças que sofreram adversidades em suas vidas, como um luto, divórcio, doença ou instabilidade e eram provenientes de meios desfavorecidos eram mais propensas a ter uma relação mais forte com seus animais de estimação do que seus pares, embora tivessem um desempenho acadêmico menor e fossem mais propensas a problemas de saúde mental. Matt diz que isso pode ser porque elas vêm de origens que as predispõem a esses problemas. Apesar disso, o estudo mostrou que crianças com relações mais fortes com seus animais de estimação tinham um nível mais elevado de comportamento pró-social - como ajudar e compartilhar - do que seus pares.

O estudo também demonstrou que essas crianças, especialmente meninas e aqueles cujo animal de estimação era um cão, eram mais propensas a confiar em seus animais de estimação do que em seus irmãos. Matt diz: "É realmente surpreendente que estas crianças não só se voltem para seus animais de estimação para o apoio quando confrontadas com a adversidade, mas que também o façam ainda mais do que se voltam para seus irmãos. E isto mesmo sabendo que seus animais de estimação não fazem realmente ideia do que elas estão dizendo. "

A pesquisa de Matt foi baseada principalmente em dados recolhidos de 88 crianças, à época com 12 anos, que tinham animais de estimação no período, 10 anos depois de terem começado a participar deste estudo. Foram colhidos dados das crianças, seus pais, irmãos e professores, todos com informações sobre o comportamento pró-social, bem-estar emocional, capacidade acadêmica e a relação das crianças com o seu animal de estimação. Matt mediu essas informações por meio do quanto as crianças confidenciaram a seus animais de estimação, o quanto elas discutiram com seu animal de estimação e quantas vezes fizeram coisas com seu animal de estimação todos os dias.

Para fazer isso ele usou uma nova escala de fixação de estimação adaptada de uma medida de apego humano estabelecida e psicometricamente validada. Seus resultados apoiaram a validade da utilização da ferramenta em considerar as relações humano-animal em termos semelhantes às relações entre humanos. "Eu tinha que primeiro provar que era válido para falar sobre relacionamentos entre o animal de estimação e a criança, da mesma forma que falar sobre relacionamentos entre irmãos."

"Animais de estimação são relacionáveis ​​e onipresentes", diz ele. "Os animais de estimação dos EUA e Inglaterra são mais comuns em famílias com crianças do que os pais residentes e ainda não se havia quantificado o quão importantes eles são para nós."

 

FONTE: Universidade de Cambridge. (2015, 13 de maio). Children often have a closer relationship with their pet than their siblings. ScienceDaily. Acessado 18 de maio de 2015 a partir de www.sciencedaily.com/releases/2015/05/150513135011.htm