I
n
s
c
r
e
v
a
-
s
e
Boas Vindas

Notícias

A detecção precoce do transtorno bipolar em crianças

Uma nova pesquisa publicada no American Journal of Psychiatry indica uma forte ligação entre episódios maníacos e a probabilidade de se desenvolver transtorno bipolar, em crianças filhas de pais com transtorno bipolar. Os resultados do estudo poderiam melhorar a avaliação clínica e cuidar destas crianças de "alto risco" através da identificação precoce, tratamento ou possíveis medidas preventivas.
O estudo é um dos primeiros a mostrar que os episódios maníacos "subliminares" - experiências que se aproximam, mas não cumprem os pontos de corte para o transtorno bipolar full-blown - são importantes fatores de risco para o desenvolvimento de diagnósticos de transtorno bipolar e outras condições de saúde mental em crianças de alto risco (filhas de pais bipolares). Além disso, se descobriu que os filhos de pais com transtorno bipolar têm taxas substancialmente mais elevadas de mania ou hipomania subliminares (13,3%, contra 1,2%); episódios maníacos, mistos ou hipomania (9,2% contra 0,8%); e episódios depressivos maiores (32% contra 14,9%) do que as crianças que não são filhas de pais bipolares.
"Profissionais de saúde mental devem avaliar cuidadosamente os curtos episódios de sintomas maníacos, depressão maior e transtornos de comportamento disruptivo em crianças de alto risco, uma vez que estes são fatores de risco para o futuro aparecimento do transtorno bipolar", disse David Axelson, MD, diretor médico do Hospital Nacional Infantil, de Ohio, EUA, e autor sênior do estudo. "Isto pode ser particularmente importante se a medicação vai ser utilizada para o tratamento do humor ou dos sintomas comportamentais na criança, porque alguns medicamentos podem aumentar o risco de desenvolvimento de mania ou sintomas psicóticos em uma pessoa que já está em risco muito elevado para o desenvolvimento de transtorno bipolar. Os prescritores podem escolher diferentes opções de medicamentos, ou utilizar doses mais baixas e monitorar tais problemas mais de perto."
A taxa cumulativa de transtornos do espectro bipolar aos 21 anos foi de 23 por cento no grupo de alto risco em comparação com 3,2 por cento no grupo de comparação. A idade média de início de um transtorno do espectro bipolar foi de 12 anos, com a brevidade do episódio maníaco que está sendo documentado em 8 anos, o que destaca a importância de monitorar sintomas subliminares para a intervenção precoce.
"A maioria das crianças que têm um pai com transtorno bipolar terá um transtorno psiquiátrico diagnosticável, tal como transtorno de déficit de atenção, transtorno desafiador opositivo, um transtorno de ansiedade ou depressão, em algum momento durante a sua juventude", disse o Dr. Axelson, que também é professor de psiquiatria clínica na Universidade do Estado de Ohio. "No entanto, a maioria das crianças que têm um pai com transtorno bipolar não desenvolve o transtorno bipolar."
Entre as crianças de alto risco do estudo que desenvolveram o transtorno bipolar, quase todas tinham episódios de humor identificáveis e outros transtornos psiquiátricos antes do início da doença bipolar.
"Episódios curtos e distintos de sintomas maníacos foram o indicador mais específico de desenvolvimento de transtorno bipolar na prole de alto risco", disse o Dr. Axelson. Este estudo é parte do Pittsburgh Bipolar Offspring Study (BIOS), que é o maior estudo até a data de filhos de pais com transtorno bipolar. 
O estudo longitudinal acompanhou crianças de alto risco e demograficamente pareadas com os filhos de pais da comunidade (não portadores). Entrevistas de acompanhamento foram concluídas em 91 por cento dos filhos com uma duração média de acompanhamento de 6,8 anos. As entrevistas iniciais e de acompanhamento foram realizadas utilizando a entrevista clínica estruturada para o DSM-IV (pais) e o calendário de Transtornos Afetivos e Esquizofrenia para Crianças em Idade Escolar (crianças). 

FONTE: Hospital Infantil Nationwide. (2015, 03 de março). Clues to early detection of bipolar disorders in high-risk children. Science Daily. Acessado 08 de julho de 2015 a partir de www.sciencedaily.com/releases/2015/03/150303074712.htm