I
n
s
c
r
e
v
a
-
s
e
Boas Vindas

Notícias

Ajudar as crianças a compreender emoção é chave para o desenvolvimento


A estratégia de parentalidade simples de ajudar crianças a compreender a emoção pode reduzir problemas de comportamento mais tarde, constata um estudo financiado pelo governo federal dos EUA liderado por um pesquisador da Universidade Estadual de Michigan (MSU, na sigla em inglês). O estudo, publicado na edição de setembro do Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, poderia, finalmente, ajudar os mais necessitados. Crianças com maior risco, especialmente aquelas que têm mais problemas de comportamento e das famílias mais desfavorecidas, são as que mais se beneficiaram sendo ensinadas sobre emoção por suas mães.
"Nossos resultados oferecem promessa para uma estratégia de parentalidade prática e econômica para apoiar o desenvolvimento social e emocional de crianças em risco e reduzir problemas de comportamento", disse Holly Brophy-Herb, professora da MSU de desenvolvimento infantil e principal investigadora do estudo.
A pesquisa, parte de um estudo maior financiado por uma concessão do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, envolveu 89 crianças (com idades entre 18 meses a cerca de 2 anos) provenientes de famílias de baixa renda matriculadas em programas Early Head Start. As mães foram convidadas a olhar para um livro de imagens sem palavras com seus filhos pequenos. O livro incluía muitas conotações emocionais, como ilustrações retratando uma menina que perdeu e encontrou um animal de estimação.
Brophy-Herb e seus colegas pesquisadores se concentraram em emoções-ponte das mães com a criança. Isso envolve mães que não apenas rotulam a emoção (por exemplo, triste), mas que também a colocam em contexto (por exemplo, ela está triste porque ela perdeu o pássaro) e trazendo-a para a vida da criança (por exemplo, lembra quando você perdeu seu urso e você estava triste?).
Durante uma visita de acompanhamento com as famílias, cerca de sete meses mais tarde, os investigadores encontraram menos problemas comportamentais nas crianças de alto risco. Brophy-Herb disse que isso pode ser porque a emoção-ponte funciona como um instrumento através do qual as crianças podem começar a aprender sobre suas emoções e, gradualmente, aprender palavras simples para expressar emoções, necessidades e desejos, em vez de agirem fisicamente.
Ajudar as crianças a compreender a emoção deve ser uma estratégia permanente, de longo prazo, disse Brophy-Herb. Os pais podem falar com seus filhos sobre a emoção a qualquer momento - em uma curta viagem de carro para casa, por exemplo, ou até mesmo em pé na fila do supermercado. "Com o tempo, estas miniconversas se traduzem em um rico corpo de experiências para a criança."
Emoção-ponte poderia ser especialmente benéfica para as famílias que lutam com vários estressores, incluindo famílias economicamente desfavorecidas. As crianças muito pequenas em famílias pobres estão em maior risco de ouvir menos palavras em geral e dentro de um leque mais limitado em comparação com as crianças em famílias de renda média e alta. Como o estudo liderado pela MSU indica, as mães que foram prejudicadas foram engajar-se em experiências de linguagem de alta qualidade com seus filhos pequenos.
No mínimo, diz o estudo, a informação sobre a emoção-ponte poderia ser disponibilizada em configurações de cuidados primários pediátricos, como parte de esforços maiores para aumentar e diversificar a linguagem entre pais e crianças pequenas.

Fonte: Holly E. Brophy-Herb, Erika London Bocknek, Claire D. Vallotton, Kathy E. Stansbury, NedaSenehi, Danielle Dalimonte-Merckling, Young-Eun Lee. Toddlers with Early Behavioral Problems at Higher Family Demographic Risk Benefit the Most from Maternal Emotion Talk.Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics, 2015; 1 DOI: 10.1097/DBP.0000000000000196